Transição capilar. Alguns amam, outros odeiam.

Denomina-se a frase “transição capilar” na vida de qualquer indivíduo que queira abolir o uso de processos químicos de sua rotina, visto que esse procedimento transforma e danifica a estrutura natural dos fios de cabelo.

O termo está completamente ligado às rotinas de “low poo” e “no poo”, pois a partir do momento em que abolimos “costumes” que não são nada bacanas para os cabelos, componentes como os sulfatos e petrolatos são exclusivamente importantes de serem retirados da rotina também.

Quero iniciar a transição capilar. Por onde devo começar?

É importante que você tenha em mente o porquê de querer tomar essa decisão.
No meu caso, foi porque os alisamentos danificavam muito o meu couro cabeludo. Já tive que fazer tratamento devido às alergias e machucados. Então o primeiro passo foi parar de vez com a progressiva.

Segundo, como é a sua rotina? O que me “ajudou” a passar pela transição foi o fato de que fiquei desempregada, com os benefícios do seguro desemprego e me senti melhor passando por esse processo em casa. Mas, se tivesse que trabalhar e ir para a faculdade todos os dias não teria psicológico para tal.

Acho que vale ressaltar essa informação, porque acredito que muitas outras pessoas se sentem inseguras com a aparência. Não é nada para se envergonhar, mas precisa ter em mente de que o cabelo estará passando por um processo de adaptação, onde o mesmo se tornará rebelde e cada dia acordará de uma maneira diferente.

Terceiro, você só verá como o seu cabelo realmente é conforme ele for crescendo. Ah, e vai ter que cortar toda a química, viu? Cabelo alisado é cabelo morto. Mas nada de pânico! Eu adoro uma tesoura e fui cortando o meu aos poucos até perceber que não havia mais nada para se cortar.

Cabe a você decidir se quer deixar crescendo por 1-2 anos e fazer o big chop ou ir cortando aos pouquinhos como eu fiz.

Por que ingressar em uma das técnicas low poo e no poo na transição capilar?

Diferente do cabelo liso, cacheados e crespos tendem a ser mais ressecados, porque a oleosidade natural da nossa raiz não consegue percorrer direito por toda a curvatura e chegar até as pontas, distribuindo o essencial para a saúde dos nossos fios.

Quando fazemos o uso de shampoos não liberados, como eles contém sulfatos, acabam sendo responsáveis por retirar desnecessariamente todo o sebo do nosso couro cabeludo. Logo, nosso organismo reage produzindo mais sebo. Isso pode se resultar em um couro cabeludo muito oleoso ou completamente seco (que é o meu caso).

Já sobre os petrolatos, são componentes que nos dão a impressão de um cabelo macio e sedoso, porém eles “grudam” nos fios formando uma película impedindo a perda de água (bom) e também impedem que a rotina de cuidados como hidratações, nutrições e reconstruções sejam capazes de penetrar nas cutículas (ruim). Sendo assim, o cabelo fica com um aspecto pesado e pode ficar completamente ressecado em longo prazo.

Os benefícios de abolir o uso desses ingredientes não tão benéficos são visíveis no primeiro mês ou no máximo no terceiro. É preciso ter paciência e ver qual técnica o seu cabelo aceitará melhor.

Se for escolher o low poo, saiba que alguns silicones são permitidos, mas é obrigatório descartar o Sodium Laureth Sulfate e sua turma. Se for de no poo, a lavagem é feita apenas com condicionador. Chamamos de co-wash. E a quantidade de ingredientes a serem descartados são maiores.

Na loja Meu Cabelo Natural tem uma linha da Soul Power específica para cuidados de pessoas em transição.

Muita umectação e pré-poo com óleos vegetais

Se você ainda não sabe, a umectação é um tratamento da Índia, onde massageia-se o óleo por todo o couro cabeludo e comprimento do cabelo para garantir um bom crescimento capilar e fortalecimento dos fios. E, acredite, isso faz toda a diferença na rotina de cuidados.

Sabe porquê? Ao fazer a massagem, estamos ativando a circulação sanguínea. Esse processo além de tratar gradativamente algumas lesões obtidas por químicas, também é capaz de controlar a caspa.

Dá pra acrescentar esse costume na etapa de Nutrição do Cronograma Capilar. Deixe agir por no mínimo uma hora, lave e condicione. Os fios ficam bem definidos e brilhosos.

Se você não tem tempo, não se preocupe. Basta fazer a aplicação antes de dormir e lavar assim que acordar.

Confira:

Para fazer o pré-poo, deixe o óleo agir de 10 à 15 minutinhos. Faça o mesmo procedimento de lavagem.

Cronograma Capilar é importante sim!

Quando estamos passando pela transição capilar, o cabelo ainda está tentando perder o vício de se manter esticado. Para colaborarmos com esse processo, é importante manter uma rotina de cuidados semanal.

O cronograma capilar é perfeito para estimular a recuperação dos cabelos. Nele, existem 3 etapas que proporcionam um tratamento completo para a saúde dos fios. São elas: hidratação, nutrição e reconstrução.

Você pode comprar uma máscara exclusiva para cada etapa ou se não tiver muito dinheiro, dá para comprar uma da Skala que custa de cinco a sete reais e “batizar” com alguns ingredientes para dar uma turbinada.

Leia mais em: Cronograma Capilar: como fazer.

Receitas caseiras também são muito bem vindas. Veja:

Qual produto escolher

Como disse lá em cima, cabelo alisado é um cabelo completamente sem vida. Então é bem difícil conseguir algum tipo de curvatura. Mas nada é impossível.

No começo é bem complicado descobrir que tipo de finalização e produto o seu cabelo aceita melhor. O meu gosta de cremes para pentear consistentes. Quando o produto é assim, ele sozinho é capaz de definir os meus cachos e nem preciso de gel ou gelatina. Entretanto, nem sempre foi assim.

Se o seu cabelo for fino e ralo, talvez cremes muitos grossos possam pesar um pouco. Mas vale o teste.

Dica: utilize fronha ou touca de cetim para ter um bom day after.

Cabe também a você decidir o que te atrai. Você gosta de cabelo definido e murchinho ou meio bagunçado e volumoso? Basta estudar bastante sobre as composições dos produtos.

Saiba que não tem necessidade de seguir o que diz o rótulo, pois às vezes o que é específico para um cabelo do tipo 4C pode funcionar para um do tipo 3A. E assim segue…

Como definir a parte lisa + texturização na transição capilar

Existem diversas finalizações pela internet ensinando formas diferentes de definir o cabelo. O Youtube então… tá saturado delas. Vou citar algumas delas para você pesquisar, testar e ver qual funciona no seu tipo de cabelo.

  • Texturização com coquinhos
  • Texturização com tranças
  • Texturização twist
  • Dedoliss
  • Fitagem estruturada
  • Fitagem com escova

Posso usar chapinha durante a transição?

Sim! Entretanto, existem algumas coisas a serem consideradas.

Por ser um procedimento que “queima” o cabelo e resseca, se você ficar insistindo em alisar àquela parte que cresceu e já está saudável, vai acabar danificando-a fazendo com que os fios fiquem esticados e “machucados”.

Para melhor entendermos, você vai estar jogando fora todo o tempo que perdeu umectando e hidratando para conseguir um bom crescimento. Além do mais, terá que passar pela transição duas vezes. Uma pela parte que está quimicamente alisada e outra para a parte que foi danificada através de equipamentos quentes. Então pensa com carinho e vê se vale a pena seguir essa rotina.

Se não aguentar a pressão, você pode apostar em penteados durante toda a transição. Algumas pessoas fazem isso e se “transformam” depois de 1 ano. Sem contar aquelas que raspam tudo e preferem começar do zero. Acho demais! E ainda da pra usar várias laces maneiras.

A transição capilar tem sido algo libertador na vida de muitas pessoas. Não tem nada mais gratificante que lavar o cabelo quando quiser em dias de sol.


Dani é criadora de conteúdo apaixonada por cuidados de beleza com ênfase nas técnicas Low Poo e No Poo. Tem 5 gatinhos e adora uns joguinhos online. Se quiser saber mais sobre a autora, visite o Blog e o Instagram dela.