Em setembro de 2013, resolvi tingir os cabelos, pois sempre amei aquele ruivo mais natural, acobreado. Foi a primeira vez que tingi de verdade…até então, só tinha experimentado luzes e tonalizante, há um bom tempo atrás. Pois bem, não tenho condições de afirmar, mas tudo indica que a coloração que passei na época, a INOA da L’oréal, foi responsável pela queda de praticamente ¼ dos meus cabelos. De início, ela parecia maravilhosa, a cor muito bonita, o toque suave e saudável. Tanto é que achava que a queda dos fios era por stress. Porém, durante os meus estudos sobre Low Poo, resolvi fazer uma busca a respeito dessa coloração e fiquei chocada quando li um artigo, de um site bem confiável. A propaganda é de que a INOA se trata de uma coloração suave e sem amônia, mas a realidade é basicamente o contrário. Além desse site, quando fiz uma busca no google por “my hair fell with INOA”(meus cabelos caíram com INOA), encontrei muitos relatos de mulheres que utilizaram a coloração e tiveram o mesmo problema. Durante um ano tomei uma vitamina chamada Fortalyze (custo mensal de R$90,00) para conseguir recuperar, em parte, meus cabelos. E, com a conscientização a respeito da indústria de cosméticos, que muitas vezes é perversa, parei para pensar: se eu optei por seguir o Low Poo, utilizando produtos mais naturais e com menos componentes químicos desnecessários para os meus cabelos, por que raios vou continuar com esse tipo de coloração?? Parei tudo.

Depois desse “plim” cósmico, fui em busca de uma coloração natural: a henna. Já tinha ouvido falar a respeito dela, mas nunca dei bola. Com a ajuda do grupo do Facebook Henna – Amor que não desbota e do site Henna For Hair, passei a me informar sobre essa belezinha. O mundo da henna é vasto e contém muita informação. Por isso, é muito importante ler bastante para não se arrepender depois, já que, uma vez com henna na cabeleira, é bem difícil removê-la.

Já vi muita gente reclamar da henna, que faz meleca, que o cheiro é ruim, que nunca mais vai usar, que é coisa de hippie, que foi uma experiência terrível e outros mimimis. Ela dá mais trabalho do que colorações comuns? Sim, dá. O segredo é só entender como prepará-la e aplicá-la da maneira correta, que é diferente do convencional. E pensar se você tem paciência para lidar com ela. O cheiro é um pouco forte, tem que deixar bastante tempo nos cabelos, mas não é o apocalipse. Para mim, o fato dela ser natural supera todos os pontos “ruins”. É importante também deixar claro que henna não é a mesma coisa que henê! A confusão é grande por causa do nome, mas henê é um produto químico que alisa e colore de preto os cabelos.

A henna é uma planta cujo nome científico é lawsonia inermis. Ela é colhida, posta para secar e transformada em pó. Quando misturada com um líquido levemente ácido e deixada em repouso por algumas horas, ela libera um pigmento de coloração cobre. Assim, em contato com os cabelos, ela tem a capacidade de tingi-los quando são, no máximo, loiros escuros. Em cabelos castanhos, o resultado é um reflexo acobreado no sol. Para se chegar a outros tons de coloração, outras plantas são adicionadas (por exemplo, índigo para tons de castanho a preto). As colorações 100% naturais são totalmente compatíveis com qualquer tipo de cabelos e químicas. Porém, é preciso ter cuidado, pois algumas marcas adicionam elementos químicos tóxicos à composição, em busca de uma maior variedade de tons. E nesse caso, já existem problemas de compatibilidade, dependendo da química que a pessoa possui nos fios. Por isso, utilizar uma henna de qualidade confiável é essencial. Para quem se interessar pelo assunto, essa apostila é muito boa www.hennaforhair.com/freebooks/hennaforhair.pdf e há uma cópia dela em português no grupo de henna do Facebook que citei anteriormente.

                                                                                 A planta henna e ela em pó.

Minha receita de henna

Como assim, receita!? Bom, dependendo da proporção que escolhemos entre pó de henna, líquido ácido, etc…chegamos a um resultado diferente. Algumas pessoas usam somente um líquido ácido (limão e vinagre são os mais comuns), outras diluem em água. Algumas, ainda, adicionam algum creme branco para obter um tom de cobre mais suave e mais claro, pois continuar diluindo a mais com água acaba deixando a mistura muito líquida, dificultando a aplicação nos cabelos.

A minha mistura ficou com uma consistência de iogurte (não o grego rsrs) e optei por usar uma quantidade até que generosa de líquidos, porque é melhor obter um resultado final mais claro do que você queria, e depois aplicar a henna mais uma vez, do que colocar líquido de menos e ficar com uma cor mais escura, que é bem difícil de consertar. Hoje, a única coisa que mudaria na receita seria adicionar 100 mL de vinagre a menos, para a mistura ficar um pouco menos líquida e a cor final mais intensa!

Ingredientes:

  • 100g henna 100% natural (adquirida na loja Meu Cabelo Natural)
  • 300 mL vinagre de maçã
  • 100 mL água filtrada

Coloquei a henna em um pote de plástico e fui adicionando aos poucos os líquidos, começando com o vinagre, que é o líquido mais importante, e depois a água. Optei por adicionar água para não deixar a mistura tão ácida. Fui mexendo tudo com uma colher também de plástico, pois o contato da henna com objetos de metal pode interferir nos resultados. Selei o pote com um plástico filme e deixei a mistura descansar por 12 horas, com base nessa figura:

Liberação de pigmento da henna durante o período de descanso, de acordo com a temperatura ambiente. Campo azul/cinza: pigmento não liberado, campo amarelo: o pigmento já perdeu seu poder de pigmentação, campo vermelho: é o ideal, situação em que a henna liberou o máximo de pigmento.

Portanto, deixei descansar por 12 horas, pois a temperatura ambiente oscilou entre 25 e 30°C durante o descanso, resultando em uma boa liberação de pigmento. Outra dica de que o pigmento liberou ou está em processo de liberação é que a superfície da henna fica com uma coloração amarronzada, e, se você raspar um pouco dessa parte de cima com uma colher, vai ver que o restante está mais esverdeado.

Com a mistura pronta, fui para a pia do banheiro com o seguinte material:

  • Pote com a mistura de henna
  • Luvas de látex
  • Plástico filme
  • Vaselina
  • Camiseta e shorts velhos

Deixei tudo a postos, desembaracei os cabelos e fui para o chuveiro lavá-los com meu shampoo sem sulfato de sempre. Depois de tirar o excesso de umidade, coloquei a roupitcha velha (porque a henna mancha!), passei vaselina em todo o limite entre meus cabelos e o rosto, orelhas e nuca, coloquei as luvas e segui o procedimento do vídeo da linda indiana Shruti. A única diferença em relação ao vídeo, é que não torci as mechas antes de fazer o coque (acho que pode quebrar os fios) e a minha finalidade foi mais a coloração, ao contrário da Shruti, que aplicou a henna somente como tratamento capilar, adicionando à mistura ovos, leite, etc.

A recomendação é deixar a henna pelo menos por 3 horas nos cabelos, então deixei por 4 horas. Depois, fui até o jardim e, com a ajuda da mangueira com pressão e um condicionador próprio para co-wash, fui removendo a henna dos cabelos, com a cabeça para baixo. Muita gente diz que sofre para conseguir remover a henna, mas desse jeito que fiz foi muito fácil! No dia seguinte, só lavei os cabelos com água, e no segundo dia fiz co-wash. Como garantia, é melhor evitar o uso de shampoo nas 48 horas seguintes à remoção da henna, para um melhor resultado.

Uma semana antes de aplicar a henna no comprimento todo, fiz um teste de mecha para ter uma noção do resultado. Isso porque tenho uns centímetros de cabelos virgens e o restante está com a sobra daquela coloração INOA, super desbotada. Então, queria ver se a diferença entre raiz e comprimento ficaria muito bizarra. A maioria das mulheres que usam henna abre o tom dos cabelos com uma coloração loira antes de tingir de ruivo, pois ou possuem cabelos muito escuros ou querem um resultado mais laranjinha e intenso. O meu objetivo é me livrar de todo e qualquer resquício da coloração química, e se rolar, ficar ruiva. Então, por um bom tempo meus cabelos vão ser bicolores e, no futuro, terei cabelos em um tom acobreado escuro!

Muita gente diz que a henna não desbota nunca e que, se você passou e desbotou, é porque fez algo errado. Esse tipo de comentário, para mim, é raso e não faz sentido. Nossos cabelos possuem estrutura complexa, são dos mais diferentes tipos, podem conter as mais diversas químicas ou serem virgens, estão expostos a N condições no dia-a-dia e ainda há uma variedade de hennas a serem escolhidas. Então, para mim, fica claro que podem ser esperados diversos resultados. Nessa minha primeira aplicação, em que segui à risca a cartilha, percebi que a henna desbotou um pouco sim, ainda no mesmo mês em que a apliquei. Na raiz, de cabelos virgens, a henna pegou, mas nem tanto. Comparada às tinturas normais, a henna desbota pouco e esta é uma grande vantagem. Por isso, resolvi fazer um banho de brilho com a sobra de henna da primeira aplicação, que tinha deixado congelada. No caso, seria um banho de brilho e não coloração/pigmentação, pois quando se usa pouca henna o efeito não é tão intenso…seria como uma tonalização.

Os ingredientes foram:

– 110 mL de mistura de henna descongelada

– 4 colheres cheias de creme branco (pode ser máscara ou condicionador)

O creme branco é para render mais, já que não tinha sobrado tanta henna. Assim também fica mais diluído, mais suave. Deixei a mistura por 5 horas nos cabelos e lavei.

Gostei bastante do resultado, pois a cor ficou menos dourada e mais laranjinha, com um tom um pouco mais fechado, e, dessa vez, pegou bem na raiz. Ah, e a diferença de cor entre a raiz e o comprimento diminuiu. Para mostrar os resultados, fiz um conjunto de fotos e tentei fotografar da maneira mais próxima à realidade.

1 – Teste de mecha: no canto inferior esquerdo é a mecha com tinta desbotada; a mecha maior é depois do teste (deixei a henna por 3h nela); a raiz é virgem. Foto tirada em tempo nublado.

2 – Logo depois de hennada, com cabelos secos. Foto sob luz fluorescente do banheiro.

3 – 10 dias depois de hennada. Foto tirada em tempo nublado.

4 – 14 dias depois do banho de brilho. Foto tirada em tempo nublado.

A henna possui uma interação curiosa com os cabelos. Repare na cor logo após a aplicação e a cor passados 10 dias (relevando as diferentes iluminações dos locais). Pois é, o tom “radioativo” é super normal após a aplicação e tende a desaparecer com os dias. Isso ocorre devido à oxidação da henna, que tende a fechar um pouco o tom da cor final. Logo mais farei um post a respeito desse “fenômeno”, que não ocorre com colorações convencionais 😉

ATUALIZAÇÃO: Essa primeira vez que hennei foi a única em que usei vinagre e em grande quantidade. Nas hennadas seguintes, testei limão, laranja e chá de hibisco, tudo em concentrações menores. E o resultado foi bem melhor, inclusive hoje em dia só uso henna + chá de hibisco.

FONTES CONSULTADAS:
http://harmonyhenna.com/images/Henna-Plant.jpg
http://fadufashion.com/wp-content/uploads/2012/10/Medicinal-Uses-of-Heena1.jpg
http://www.hennapage.com/henna/how/dyerelease.html

 

Paola Arab é geóloga, cientista, virginiana, vegetariana, natureza, cerveja, Alice in Chains e Rammstein. Escrevia suas experiência pessoais no blog Alem do Lab, hoje desativado. Parte de suas publicações estão serão mantidas aqui no blog Mundo Poo.