Publicado originalmente no blog Além do Lab
Em 24/03/2016

 

Desde que decidi entrar no mundo dos cosméticos mais naturais há seis meses, um dos meus objetivos passou a ser: conseguir higienizar os cabelos somente com chás (ou pelo menos na maioria das vezes hehe!). Na verdade, queria isso há mais tempo, mas sei que não conseguiria por conta da raiz mais oleosa e pelas atividades físicas diárias. Óleo e muito suor não são fáceis de lidar!

Depois desses seis meses usando mais cosméticos orgânicos e naturais, percebi que a oleosidade do meu couro cabeludo diminuiu um pouco mais ainda, assim como o ressecamento das pontinhas dos cabelos. Umas semanas atrás, resolvi começar a testar chás para lavar os cabelos e tive uma surpresa muito boa, pois o resultado tem sido muito bom. No geral, a técnica de se lavar os cabelos somente com água (no máximo com chás) é conhecida como Water Only, ou seja, somente água.

Para evitar grandes choques, fui por etapas:

1ª semana: lavagem dos cabelos todos os dias, testando vários tipos de chás.

2ª semana: lavagem dos cabelos intercalando os dias, totalizando 4 lavagens na semana (que é a quantidade de vezes que eu gosto de lavar). Intercalei em um dia co-wash com o condicionador Prymeva + Condicionador restaurador Surya no comprimento e no outro dia só chá (em dias de cabelos mais embaraçados, um pouco de condicionador no comprimento).

3ª semana: quase como a semana anterior, mas com a sequência: chá – chá – cowash – chá – chá – cowash…etc. Agora estou na 4ª e estou mantendo essa sequência.

Leia também: Sugestões de co-wash para usar sem medo. Clique aqui.

Mas não pense que somente o ato de lavar os cabelos com chá basta. Há todo um procedimento a ser seguido antes, durante e após a lavagem. Para quem tem oleosidade normal a grande, é preciso um pouquinho de paciência, mas está longe de ser um bicho de sete cabeças. Minha única recomendação é ir aos poucos. Não adianta uma pessoa que usa shampoo com sulfato querer da noite para o dia fazer Water Only. Minha caminhada vem de aproximadamente 2 meses de Low Poo com mais silicones + 4 meses de Low Poo com poucos silicones + 6 meses de No Poo com anfótero betaínico e shampoo em barra + 6 meses de No Poo com produtos mais naturais e orgânicos. Tenho certeza de que se eu tivesse tentado Water Only com pouco tempo de No Poo, a coisa teria sido tensa. Então, não tenha pressa se você quiser testar o método!

Costumo preparar meio litro a um litro de chá, dependendo da situação dos cabelos. Quando mais oleosos, faço mais chá. Esquento a água até ela começar a formar as primeiras bolhinhas, despejo tudo em um recipiente de vidro, coloco geralmente duas colheres de sopa de alguma erva e deixo em repouso por dez a vinte minutos. Coo e deixo amornar para usar.

Bom, a primeira coisa é tentar dar uma desembaraçada de leve nos cabelos secos, com a ajuda dos dedos. Depois, é necessário tentar distribuir o óleo da raiz pelo comprimento. Eu costumo fazer isso com a cabeça um pouco deitada, colocando os dedos bem próximos da raiz e puxando-os para o comprimento, delicadamente. Faço isso por uns cinco minutos, depois passo as palmas das mãos desde o topo da cabeça até o fim do comprimento por também. Essa distribuição de óleo ajuda, inclusive, a desembaraçar os cabelos. Às vezes, também uso um pente de plástico de dentes bem largos.

Aí, ligo o chuveiro em temperatura morna mais quentinha, mas não aquela temperatura que deixa a gente vermelha de tão quente hehe. Molho os cabelos e repito os movimentos de distribuição de óleo. É melhor fazer isso em temperatura morna quentinha, pois ela ajuda a distribuir o óleo também.

Reparto os cabelos em duas mechas. Tiro o excesso de água do comprimento e começo a despejar de pouco em pouco o chá desde o couro cabeludo às pontas. Faço um pouco de movimentos tipo co-wash e vou deslizando os dedos para espalhar a oleosidade. Massageio o comprimento e vou tentando desembaraçar aos poucos. Repito o procedimento até acabar o chá. Muitas vezes parece que o chá não foi suficiente, pois próximo ao couro cabeludo fica parecendo que ainda está um pouco oleoso. Mas tudo melhora ao secar (isso quando você espera seu tempo de adaptação certinho, sem grandes choques no coitado do couro cabeludo!).

Não faço último enxágue com água corrente, gosto de deixar o chá no couro cabeludo e no comprimento. Saindo do banho, penteio os cabelos com os dedos e depois passo o pente de plástico de dentes largos só para dar um “acabamento”. Aí, é só esperar secar.

Claro que essa rotina não deixa os cachos definidos como quando usamos condicionadores, máscaras ou finalizadores. Mas é uma maneira natural de conduzir as coisas, por isso também é bacana.

Às vezes, e quando tem em casa, ao invés de passar condicionador no comprimento, separo uma colher de sopa rasa de abacate ou uma cheia de mamão amassados e distribuo na parte mais ressecada do comprimento, massageando bem. Mas faço isso antes de passar o chá, pois gosto finalizar sempre com ele. E dá certo! Só é preciso ter cuidado com o abacate, pois ele pode deixar os cabelos bem oleosos.

O mais curioso para mim é o resultado em relação ao frizz. Pelo menos no meu caso, usar somente chá até pelo menos a altura das orelhas fez com que o frizz diminuísse. Tanto creme por aí para lidar com frizz e a solução natural foi a melhor para mim até agora. Outra coisa muito boa é que usando somente chás, minha cabeça não coça nada, zero. Mesmo quando uso cremes com composições muito boas e até naturais, tenho uma coceirinha bem-bem de leve. Quanto aos tipos de chás, já testei vários, mas quero testar muitos outros ainda. Gostei muito de usar hortelã, sálvia, erva-doce e barbatimão.

E aqui é para tentar mostrar que a raiz não ficou oleosa. Com o tempo, os cabelos ficam soltinhos!

Usando cosméticos orgânicos e naturais,tenho percebido que o uso de máscaras de hidratação e nutrição são quase que dispensáveis. Até a queratina hidrolisada da Novex eu diminui, já que a henna age como uma ótima reconstrutora. Uma vez a cada um ou dois meses uso a máscara de hidratação da Sal da Terra e aplico a henna. De resto, meus dois condicionadores e os chás estão dando conta 🙂

 

Paola Arab é geóloga, cientista, virginiana, vegetariana, natureza, cerveja, Alice in Chains e Rammstein. Escrevia suas experiência pessoais no blog Alem do Lab, hoje desativado. Parte de suas publicações estão serão mantidas aqui no blog Mundo Poo.